estranhasbrincadeiras II

Pedro and Rita, de Kerry Evans

O Halloween parece que chegou a Portugal e veio para ficar. Os miúdos mascaram-se, há festas temáticas, o tema surge em todo o lado. E o tema é a morte. Mas a morte brincada, não a real dos funerais, mas a da fantasia, dos fantasmas e bruxas, da magia, da diversão. Podemos divertir-nos à volta da morte? Parece que sim. Que ideia mais estranha. Não é a morte o que todos tememos? Será o tema o medo? O que fazemos aos medos?

Um pai inventava histórias para o seu filho antes dele adormecer, histórias com monstros. O filho pedia sempre histórias mais assustadoras. O pai perguntava: como é que ele não tem pesadelos? Porque os medos dos pesadelos estavam envoltos na segurança da relação com o pai e na fantasia das histórias partilhadas. Porque brincavam. Como os contos de fadas, cheios de violência, que sobrevivem aos tempos e ainda se contam às crianças - o lobo mau, a rainha má, os feitiços, as mortes. As crianças não costumam ter pesadelos com as histórias infantis. Atrevo-me a dizer que os pesadelos das crianças são os medos sem história, sem narrativa, sem adulto-contentor-seguro. Atrevo-me a dizer mais - os pesadelos são as histórias que a mente cria, pois há coisas tão assustadoras que só as podemos dizer (mesmo a nós próprios) através de uma história. 

Então talvez faça sentido brincar a morte, o desconhecido, o medo. Encarnar o fantasma que assusta os outros, brincar às bruxas com poderes mágicos, vibrar com histórias de vampiros, ver filmes de terror. Tourear a besta. Cutucar o monstro. 

Diana, 15 anos, não conseguia dormir no escuro, as luzes tinham de ficar acesas todas as noites. Por mais que soubesse que na realidade nada lhe ia acontecer, a escuridão invadia-a com um pânico que não conseguia controlar. O escuro trazia-lhe fantasias de que todos iriam morrer à sua volta, que ela iria morrer também. Fantasias não ditas, não pensadas, cristalizações da morte da avó-mãe que não pôde ser chorada e amparada na altura devida.


Brinquemos então ao Halloween. Celebremos o Dia dos Mortos. Paguemos para nos meterem medo. Enquanto dançamos o tango com o diabo, ele não nos pode apanhar. E entretanto, entreguemo-nos às petit morts, gozemos o presente, no impulso de vida que explode no orgasmo, na eterna criação, nos novos nascimentos, um filho, uma ideia, uma acção. No estranho balançar entre vida e morte, vamos sendo luz e sombra. Acarinhemos ambas. Em nós e nos outros.

Comentários

Mensagens populares deste blogue

"Se ela se portar mal, ponho-a na Super Nanny"

Wilde, Nietzsche e Pixies

As mães e as bruxas