estranhaspolíticas



A Ordem dos Psicólogos Portugueses olhou para a realidade e constatou: existem 601 psicólogos no Serviço Nacional de Saúde. Segundo as recomendações internacionais devia existir um psicólogo por cada 5000 habitantes. Feitas as contas, faltam cerca de 1600 psicólogos nos hospitais e centros de saúde. A situação é grave, considerando que Portugal é dos países com maiores taxas de doença mental, nomeadamente ansiedade e depressão. 

Estes são os factos. Quais as opiniões? Tristemente ainda prevalece uma certa ideia de que isso da psicologia é uma coisa "inventada", que antigamente não precisávamos disso para nada, que aquilo a que chamamos bullying e déficit de atenção são as coisas normais que as crianças de antigamente faziam e ninguém se preocupava. Que para essa coisa da ansiedade basta relaxar e para a da depressão uns copos ajudam. Concordo. Sempre existiu gente infeliz e com problemas. Concordo que actualmente damos importância a coisas que antigamente ninguém ligava. E sobrevivíamos. Como aquelas coisas que correm na net sobre a nossa geração que não usava cinto de segurança no carro. Sim, sobrevivemos, quer dizer, alguns morreram, mas não fomos nós pois não? 

Depois há aquelas opiniões das prioridades. Se o povo tem fome, precisa de pão e não de arte e de felicidade. Ah, espera, isso se calhar não devia dizer... misturar coisas como paz, o pão, habitação, saúde, educação. Liberdade. 

Liberdade, paz, saúde, não são só coisas de fora, são coisas de dentro, são coisas humanas, psicológicas, por mais que alguns de nós não gostemos de lhes dar esse nome. O mundo gira e muda e a humanidade evolui, cria novas necessidades e novas possibilidades. É verdade que ninguém se preocupava com a infelicidade e a doença mental - esse palavrão era deixado para os maluquinhos que se enfiavam em asilos. Os outros que se amanhassem, com a bênção de Deus, muito trabalho, o silêncio das mulheres, o embriagar dos homens e as tareias dadas às crianças.

O mundo gira e muda e queremos mais e melhor. Queremos mais coisas, verdade, mas queremos essencialmente mais vida, mais bem-estar, mais sentido de plenitude, de verdade, de comunhão, de humanidade. Queremos o melhor para nós e para os nossos, divorciamo-nos porque não estamos felizes, casamos porque nos deixamos apaixonar mais uma vez, mudamos de empregos, lançamo-nos em aventuras, queremos os amigos perto, os filhos de cuca legal. E vamos ao psicólogo. Quer dizer, alguns de nós vamos, os que podemos pagar. Porque as prioridades do Estado são outras. Seremos nós estranhos?





Comentários

Mensagens populares deste blogue

"Se ela se portar mal, ponho-a na Super Nanny"

As mães e as bruxas

Wilde, Nietzsche e Pixies